Início Aprender francês com músicas “Les Eaux de Mars”

“Les Eaux de Mars”

113
0
COMPARTILHAR

A música surgiu entre os seres humanos muitos antes da agricultura. Flautas
pentatônicas de intervalos definidos feita com ossos foram encontradas numa
caverna datando de mais de 40.000 anos, enquanto a agricultura tem
aproximadamente 10.000 anos. A música nos acompanha e faz parte do nosso ser,
provavelmente antes da linguagem. Nossa linguagem requintada deve ter apoio
ancestral na música. Ou seja. É bom demais estudar línguas com músicas! Aliás,
estudar qualquer coisa com música é bom. Música não é nem estudo, é experiência.
Vale muito a pena! Aqui nesta sessão você vai encontrar sempre músicas novas. As
transcrições e traduções acompanhando, além de alguns comentários e explicações
às vezes. A recomendação é imprimir a letra, ou salvar no computador, celular, etc, e
ler uma vez por dia durante uma semana, e botar a música na versão que vc preferir
nas suas playlists dessa semana. Até você internalizar o que ele traz… Experimenta! 😉

Les Eaux de Mars
Tom Jobim

Un pas, une pierre, un chemin qui chemine,
Un reste de racine, c’est un peu solitaire,
C’est un éclat de verre, c’est la vie, le soleil,
C’est la mort, le sommeil, c’est un piège entr’ouvert.

Un arbre millénaire, un noeud dans le bois,
C’est un chien qui aboie, c’est un oiseau dans l’air,
C’est un tronc qui pourrit, c’est la neige qui fond,
Le mystère profond, la promesse de vie.

C’est le souffle du vent au sommet des collines,
C’est une vieille ruine, le vide, le néant,
C’est la pluie qui jacasse, c’est l’averse qui verse
Des torrents d’allégresse, ce sont les eaux de mars.

C’est le pied qui avance, à pas sûr, à pas lent,
C’est la main qui se tend, c’est la pierre qu’on lance,
C’est un trou dans la terre, un chemin qui chemine,
Un reste de racine, c’est un peu solitaire.

C’est un oiseau dans l’air, un oiseau qui se pose,
Le jardin qu’on arrose, une source d’eau claire,
Une écharde, un clou, c’est la fièvre qui monte,
C’est un compte à bon compte, c’est un peu rien du tout.

Un poisson, un geste, comme du vif argent
C’est tout ce qu’on attend, c’est tout ce qui nous reste,
C’est du bois, c’est un jour le bout du quai,
Un alcool trafiqué, le chemin le plus court.

C’est le cri d’un hibou, un corps ensommeillé,
La voiture rouillée, c’est la boue, c’est la boue.


Un pas, un pont, un crapaud qui coasse,
C’est un chaland qui passe, c’est un bel horizon,
C’est la saison des pluies, c’est la fonte des glaces,
Ce sont les eaux de mars, la promesse de vie.

Une pierre, un bâton, c’est Joseph et c’est Jacques,
Un serpent qui attaque, une entaille au talon,
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine,
Un reste de racine, c’est un peu solitaire.

C’est l’hiver qui s’efface, la fin d’une saison,
C’est la neige qui fond, ce sont les eaux de mars,
La promesse de vie, le mystère profond,
Ce sont les eaux de mars dans ton coeur tout au fond.

E pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho…
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine,
Un reste de racine, c’est un peu solitaire

E pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho…
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine,
Un reste de racine, c’est un peu solitaire

Águas de Março              

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá, candeia, é o Matita Pereira
É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira

É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira
É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão

É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto, o desgosto, é um pouco sozinho
É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada

É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato, na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

Au, edra, im, minho
Esto, oco, ouco, inho
Aco, idro, ida, ol, oite, orte, aço, zol
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

Receba o "Resumo Semanal"

Quer receber o "Resumo dos Ateliers Semanais" todos os domingos no seu e-mail com todos os materiais e conteúdos da semana?

Fique tranquil@, eu NUNCA enviarei e-mails não solicitados (spam). Powered by ConvertKit

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here